Destaque

LATTOOG: “Somos especializados em bom desenho e boas ideias”

LATTOOG, mais do que a fusão entre os nomes dos sócios, o arquiteto Leonardo Lattavo e o designer Pedro Moog, é a proposta de uma experiência inovadora em design e arquitetura, marcada pela pluralidade de duas formações diferentes mas complementares. O que entre 1998 e 2003 era apenas um hobby, um exercício de criatividade que se inseria nas atividades artísticas da dupla, – que incluíam também pintura, escultura e desenho –, torna-se oficialmente, em 2004, sua principal ocupação.

Um movimento similar ao conceito de “antropofagia cultural” de Oswald de Andrade, impulsiona os criadores Lattavo e Moog. As influências externas, longe de serem negadas, são “devoradas e transformadas em cultura brasileira e revolucionária”. A série “Viralatas” traz móveis híbridos, união de dois que resultam num terceiro, diferente e único, trazendo mais uma vez a marca brasileira da miscigenação e mistura. A primogênita desta série – a poltrona Pantosh, já é um clássico e materializa essa ideia de hibridismo surgindo a partir da fusão de duas outras peças.

Quem são?

PEDRO MOOG: Designer auto-didata com formação acadêmica em Administração de Empresas. Atua no campo de design desde 1997 com sua própria empresa de design – A Moog Studio que posteriormente veio a se fundir com a Lattoog Design. Assim como Leonardo, tem atuado nos campos de arquitetura, design e artes plásticas.

LEONARDO LATTAVO: Arquiteto e Urbanista com mestrado em Arquitetura na University College of London. Entre os anos de 1997 e 2004 morou em Londres exercendo a profissão de arquiteto. Após esse período regressou ao Brasil para fundar a Lattoog Design junto com Pedro Moog. Atua hoje nos campos de arquitetura, design e artes plásticas e também é professor de Projeto de Arquitetura na PUC-RJ.

Design

Os produtos Lattoog têm o mérito de aliar o racionalismo das tecnologias de ponta à intuição, poética e subjetividade dos objetos de arte. O resultado: peças funcionais com linhas harmônicas, ora orgânicas e sinuosas, ora geométricas e rascantes. Utilizando elementos valiosos à nossa cultura, como tacos de madeira, azulejos estampados, gradis das casas de subúrbio, e os grafismos dos calçadões de pedra portuguesa, a Lattoog abre caminho em direção à internacionalização do design brasileiro sem perder sua ginga carioca.

No processo criativo, o desenho a mão é a base principal de quase todos os móveis da empresa, apoiada por experimentações em chão-de-fábrica e uso de diversas tecnologias digitais. Como define Leonardo: “não somos especializados em marcenaria, metalurgia ou estofaria, somos especializados em bom desenho e boas ideias”.

E em parceria com a SPIRIT, a Lattoog projetou a luminária pendente Combine, que como o nome já diz, permite inúmeras combinações de formas, cores e tamanhos através do encaixe de seus diferentes módulos.

LATTOOG
Luminária Combine SPIRIT

Pantosh Gigante em Milão 2018

Celebração dos dez anos do nascimento dessa peça e da décima participação dos designers no Salão do Móvel de Milão. A Pantosh Gigante foi feita em parceria com o Senac-RJ e Schuster móveis no atelier Lattoog. Ficou exposta na Praça Duomo – Milão.

Projeto de implementação de transporte público na Lagoa Rodrigo de Freitas

Um projeto feito em parceria por dois escritórios de arquitetura cariocas pretende utilizar a Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul, como uma alternativa para o caótico trânsito da cidade do Rio de Janeiro. Os arquitetos Leonardo Lattavo e João Pedro Backheuser desenvolveram um projeto aquaviário para a Lagoa, onde pequenos barcos, com capacidade de passageiros semelhante a dos ônibus urbanos, cruzariam o espelho d’água. As embarcações fariam as rotas entre diferentes pontos, como o viaduto que dá acesso ao Túnel Rebouças ao Corte do Cantagalo, ou os bairros da Fonte da Saudade e do Humaitá à Praia de Ipanema, através do Canal do Jardim de Alah.

LATTOOG

Além da possibilidade de se criar um transporte público atravessando o espelho d’água, Lattavo destaca a vocação turística do projeto. “Muitos turistas certamente gostariam de pegar um barco e passear pelo meio da Lagoa, e tirar fotos da cidade de um ângulo que hoje não é possível”, observa. “Às vezes, o turista está com o tempo escasso e, utilizando os barcos, pode atravessar a Lagoa de forma mais rápida do que a pé, ou mesmo de ônibus”, complementa o arquiteto. Saiba mais aqui!

LATTOOG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

26 + = 32